05/02/2012

Boa sorte, onde andas tu?

Há tanta a coisa a acontecer que nem sei por onde começar. Queria fazer uma coisa simples e concisa. Mas, com o estado da minha vida neste momento, parece que isso não é possível. Tenho tanto para desabafar que me sinto sufocada, apetece-me deitar na cama e chorar. Não por uma razão concreta, mas por toda a vida que estou a ser obrigada a ter agora. Contam-se pelos dedos de uma mão, as coisas que batem certo na minha vida. O resto, é um dominó. Uma peça cai e deita outra ao chão, por sua vez essa atira outra para o chão e sempre assim, até eu já não ter nenhuma das peças de pé. Cá em casa é sempre o mesmo. Fala-se, ouve-se, conta-se e conversa-se do mesmo. Suíça, quimioterapia, trabalho, escola, dinheiro, avó, estabilidade.. e agora, provavelmente vai-se falar destes 'misteriosos' cortes que apareceram no meu braço. Julgo que muita gente que passa por mim todos os dias nem sonha. Mas talvez este pensamento não seja só meu. Muitas das pessoas por que passo na escola todos os dias, até podem ter problemas também (não digo que não os tenham), mas isto dói e custa-me a mim, não aos outros. E é por os outros também terem problemas que eu prefiro esperar por chegar a casa e descarregar tudo. Só que depois há dias como o de hoje em que tudo acontece e eu nem sei em que peça pego primeiro. Tento reagir com optimismo a tudo isto mas é um bocado impossível. A minha avó começa a fazer quimioterapia amanhã, a minha mãe provavelmente vai para a Suíça, tudo isto começa a afectar-me na escola porque fico cansada ou sem paciência e eu há muito que já não me sinto com os 15 anos que tenho. Não sou injusta nem ingrata, tento apenas escrever aquilo que quero dizer há muito. Eu vou continuar, aconteça o que acontecer, eu vou continuar a fazer o possível e o impossível para ajudar a minha família, mas eu também tenho o direito de quebrar, ou não? Em 15 anos de vida só vi a minha mãe fazê-lo duas vezes, por isso devia aguentar mais mas não consigo. A imagem de uma das pessoas que mais amo no mundo sem cabelo e a sofrer, pensar em a minha mãe poder ir para longe e ver a minha família aos poucos a desmoronar.. não dá, não consigo ser forte. Mas, vou tentar. Por vocês as duas. Porque é a vocês que devo tudo, mãe e avó. 

P.S.: muita força amanhã avó, fiques como ficares, serás sempre um orgulho para mim. Amo-te!

7 comentários:

SofiaSilva. disse...

Stay strong, lembraste? ♥

Maria Inês disse...

Imagino o estado em que te sentes princesa, estás a viver um problema monstruoso e é normal sentires-te perdida. Mas não desistas, tá bem? De certeza que a tua avó e a tua mãe têm muito orgulho em ti, e amanhã minha linda, amanhã, tudo irá correr bem!

alexandraa. disse...

fim-de-semanas com dois dias dá com nada :c olha espero que corra tudo bem com a tua avó cris s:

Maria Inês disse...

Tu és uma guerreira, tenho a certeza (:

Maria Inês disse...

Ó, de nada querida!

SofiaSilva. disse...

Claro que é, mas tu sabes tão bem como eu o quão forte és! ♥

letícia ♥ disse...

adorei a nova modificação zx